domingo, 22 de janeiro de 2017

Androides sonham com ovelhas elétricas?

Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? - Philip K. Dick



Sinopse


Rick Deckard é um caçador de recompensas. Ao contrário da maioria da maioria da população que sobreviveu à guerra atômica, não emigrou para as colônias interplanetárias após a devastação da Terra, permanecendo numa São Francisco decadente e coberta pela poeira radioativa que dizimou inúmeras espécies de animais e plantas.

Na tentativa de trazer algum alento e sentido à sua existência, Deckard busca melhorar seu padrão de vida até que finalmente consiga substituir sua ovelha de estimação elétrica por um animal verdadeiro - um sonho de consumo que vai além de sua condição financeira.

Um novo trabalho parece ser o ponto de virada para Rick: perseguir seis androides fugitivos e aposentá-los. Mas suas convicções podem mudar quando percebe que  a linha que separa o real do fabricado não é mais tão nítida como ele acreditava.

Em Androides sonham com ovelhas elétricas?, Philip K. Dick cria uma atmosfera sombria e perturbadora para contar uma história impressionante e, claro, abordar questões filosóficas profundas sobre a natureza da vida, da religião, da tecnologia e da própria condição humana.

Minha Opinião


Esse foi meu primeiro contato com o universo do Philip K. Dick. Portanto já adianto que você encontrará bastante: Meu Deus, que livro louco; Nossa, que livro perfeito; Cara, não imaginava uma história tão densa; Philip, me adota; e coisas do tipo...

A história gira em torno (é, não gira em torno, mas o espírito é esse haha) do detetive Deckard e sua "última" busca por androides fugitivos. Esses androides são bastante parecidos com nós, humanos. Ah, e a humanidade migrou para outros planetas, restando somente a "escória humana" nos destroços da antiga Terra. Pois é, parece que temos um livro distópico...

Porém, aqui não temos uma história de ação (tá, tem ação, mas não é o foco, nem o melhor do livro), como em O Exterminador do Futuro (livro que já comentamos por aqui no Baú). Philip consegue guiar o leitor entre diversos questionamentos filosóficos, existenciais, humanos, morais e até científicos. Sério gente, esse livro te faz questionar conceitos que você, geralmente, nunca parou para pensar e refletir seriamente sobre.

"E animais vivos morrem; é um dos riscos de se ter um. Só não estamos acostumados a isso porque tudo o que vimos são imitações.", página 84.

O mérito da obra reside sim na capacidade de fomentar questões que muitas vezes são deixadas de lado. Ai vai de cada leitor julgar se vale a pena ou não gastar seu tempo pensando a respeito disso (não vou entrar em detalhes para não dar spoilers). Para mim super funcionou, achei um baita livro que todos que se interessam por ficção científica, ciência em geral e até em filosofia, deveriam ler.

O livro aborda um tema que acho interessantíssimo, que é a ética (e moral) nas Inteligências Artificiais. E, além disso, te leva a questionar aspectos que, num futuro não muito distante, estarão no nosso dia-a-dia (cara, esse livro é MUITO black mirror hahahahahahaha).

"Acho que você está certo - concordou Garland. - Parece que nos falta algum talento que vocês humanos têm. Acredito que seja a tal da empatia", página 124.
Deckard é um excelente personagem. Profundo, compenetrado e humano, somos imersos no seu universo, no seu íntimo, e em certos momentos até nos constrangemos por sabermos demais sobre ele (principalmente sobre seus sonhos).

"Você será requisitado a fazer coisas erradas não importa para onde vá - disse o velho. - É a condição básica da vida, ser obrigado a violar sua própria identidade. Em algum momento, toda criatura vivente deve fazer isso. É a sombra derradeira, o defeito da criação; é a maldição em curso, a maldição que alimenta toda vida. Em todo lugar do universo.", página 172.
 Androides sonham com ovelhas elétricas é um livro de ação? É, de certa forma sim. É um livro-cabeça? É, também acredito nisso. Mas, mais do que isso, é um livro que merece ser lido com carinho, com tempo e com uma mente bem aberta. É o melhor livro de ficção (?) científica que li, ate hoje.

De agora em diante aposentarei o bordão Isso é MUUUUITO Black Mirror, e usarei Isso é MUUUITO Philip K. Dick !!!!!

Sobre a Edição


Com tradução de Ronaldo Bressane, temos uma edição bem interessante. Com uma espécie de Jacket com referência ao filme Blade Runner, "orelhinhas" e páginas amarelas, o que sobressai é a capa mesmo do livro. Assim como todos os outros livros publicados (e os republicanos... ops, republicados!), pela Aleph, do Philip K. Dick, as capas tem o mesmo formato. E são lindas!!!!

No final do livro ainda tem uma carta e uma entrevista com o Philip K. Dick. E eu achei a entrevista sensacional. Além de ter uma explicação sobre os trechos do livro.


Vamos falar sobre o filme?


Esse livro deu origem ao aclamado filme Blade Runner - O caçador de androides (1982). No filme temos também a história de Deckard (vivido por Harrison Ford) em busca dos androides/replicantes fugitivos.

Alguns pontos da história foram alterados (ou omitidos), como por exemplo a esposa do Deckard, a profissão do morador do prédio onde os androides "montam seu QG" e a ovelha elétrica.

Mas não seria só por isso que o filme seria ruim né gente?

O filme conseguiu, perfeitamente, colocar em imagens e sons o clima do livro. Toda a atmosfera rítmica e mística, o clima de incerteza e questionamentos e até o tom sombrio que o livro passa.



E você? Sonha com ovelhas elétricas?

Um comentário:

  1. Que bom que gostou da obra, e mais um entrando pro fanclube do Philip K. Dick. Agora é só partir para as outras obras do escritor. :-)

    Eu considero o filme muito importante, ainda mais para a época. Influenciou um monte de coisa! Não consigo deixar de gostar!

    Até mais e obrigado por comentar no meu blog. ;)

    ResponderExcluir