segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Primeiro e Único

Primeiro e Único - Emily Giffin


"MAIS IMPORTANTE DO QUE GANHAR OU PERDER
É SABER A HORA CERTA DE JOGAR."


Sinopse


Sei que eu tentava explicar o meu trabalho dizendo que estava simplesmente seguindo a minha paixão. Um argumento criado para justificar o meu salário miserável. Sim, o futebol americano era minha paixão, e Walker, a minha casa, mas bem lá no fundo eu sabia que sabia que permanecia lá porque me sentia segura e porque era fácil, não porque fosse exatamente o certo.

Shea, tem 33 anos e passou toda a sua vida em uma cidadezinha universitária que vive em função do futebol americano. Criada junto com sua melhor amiga, Lucy, filha do treinador Clive Carr, Shea nunca teve coragem de deixar sua terra natal. Acabou cursando a universidade, onde conseguiu um emprego no departamento atlético e passa todos os dias ao lado do treinador - e já está no mesmo cargo a mais de dez anos.

Quando finalmente abre mão da segurança e decide trilhar um caminho desconhecido, Shea descobre novas verdades sobre pessoas e fatos - e essa situação a obriga a confrontar seus desejos profundos, seus medos e segredos.

A aclamada autora de Questões do Coração e Presentes da Vida criou uma história extraordinária sobre amor e lealdade - sobre uma heroína não convencional que luta para concilia-los.


Minha Opinião 


Mais uma vez Emily Giffin presenteia o leitor com um romance espetacular, uma linda e intrigante história de amizade, lealdade e paixão. Dessa vez nossa protagonista é Shea, uma mulher de 33 anos que leva uma vida normal com seu namorado, Miller, um simples professor de educação física, que curte coisas não tão requintadas quanto a família do treinador Carr (família essa que era muito próxima de Shea e sua mãe).

A trama se inicia com a lamentável morte da senhora Carr; Shea e sua mãe, assim como Lucy (a melhor amiga de Shea), seu pai, irmão, sua filha e seu esposo estão todos sofrendo muito com essa perda, porém a mais afetada entre eles é Lucy.

É nesse ambiente de luto que o leitor começa a conhecer os personagens, não citarei todos, pois prefiro que o leitor descubra por si só, mencionarei os mais marcantes.

Então, a autora mais uma vez traz um tema bastante intrigante, que chega a ser  comum e que sempre desperta pensamentos e julgamentos variados nas pessoas... Eu particularmente acho essa característica da Emily fantástica!

Shea encontra-se em uma situação muito complicada, primeiro ela termina seu namoro com Miller, por incentivo de Lucy ,ela sempre dizia que ele não era o homem certo para sua amiga.

A partir daí tudo começa mudar, pois ela consegue o emprego dos sonhos como jornalista (ela era formada nisso) esportiva (ela era apaixonada por futebol americano); Depois ela começa a sair com Ryan, o melhor quarteback* da região, e isso era algo incrível, ele era um homem rico, famosíssimo e até então, bastante doce e amável... até aí tudo bem, o barco está indo de vento em poupa, o problema era que isso não deixava Shea tão feliz quanto as pessoas esperam que ela estivesse. 

Shea guardava uma admiração enorme pelo seu treinador desde criança e agora, depois da morte da senhora Carr, ela começava a ver o treinador com outros olhos e por mais que tentasse colocar na sua cabeça que deveria amar Ryan, que o treinador era mais velho que ela, pai de sua melhor amiga e tantas outras coisas... Ela simplesmente não consegue.

Talvez você concorde comigo. Quando lemos algo e nos envolvemos na trama, julgamos os personagens e seus atos, as vezes nos empolgamos e torcemos para aquilo dá certo, outras vezes odiamos e torcemos para as coisas mudarem o rumo. 
Emily nos faz sentir tudo isso, suas histórias não são contos de fada, ela retrata a vida de pessoas normais, com defeitos e qualidades e o mais interessante nas leituras que já fiz da Emily é a capacidade que ela tem de nos surpreender. 
É exatamente isso que acontece nesse romance.

Continuando... 
O treinador também começa a sentir atrações por Shea e ambos começam a se permitir viver isso, mesmo sabendo que aquilo não seria aceito por Lucy, eles se relacionam  de forma gradativa e isso também implica em mais mudanças na vida de Shea, dessa vez, não são tão boas...

Por um motivo que aparentemente não é o treinador, Shea termina seu relacionamento com Ryan e ele sai como vilão (não que ele fosse um santo, pelo contrário!) e perde seu emprego, pois o departamento atlético de sua universidade estava sob investigação e ela não suportava aquilo...

A atração entre Shea e o treinador tornava-se mais intensa e isso vem à tona... 

[...]





Já contei grande parte da trama, mas darei ao leitor o gostinho de descobrir por si só o que ocorrerá a diante.



Só posso adiantar que Emily consegue colocar as coisas mais inesperadas nos momento mais inusitados possíveis, e essa é a das características da autora que eu mais gosto, pois ela descreve perfeitamente acontecimentos que despertam no leitor um senso de justiça, de moral... Aquele sentimento de quem já está envolvido na história, aquilo de pensar " eu não faria isso!" " não é desse jeito" etc... Ela leva quem lê a um espécie de reflexão sobre algum tema e geralmente eles se apresentam comuns, mas ganham características cada vez mais intrigantes.

Eu indico esse livro e convido quem não conhece as obras da autora a lerem as outras postagens dos outros livros dela que já fiz aqui.

Se você já leu esse ou outros livros da autora, deixe sua opinião!

Boa leitura!

*É uma posição do futebol americano. Jogadores de tal posição são membros da equipe ofensiva do time (do qual são líderes) e alinham-se no solo atrás da linha central, no meio da linha ofensiva. Sua função é dar o início as jogadas e fazer passes para os wide receivers e também, porém nem tantas vezes, para os tight ends. É ele que dá a bola para o corredor iniciar uma jogada de corrida, os corredores são geralmente halfback e, em algumas poucas jogadas, o fullback.

Um comentário:

  1. Estou lendo e tendo muita dificuldade em gostar, especialmente dessa coisa toda do futebol americano, mas pela primeira vez vejo alguém falando bem, então como amo a Giffin,vamos la! Vou continuar e ver como termina.

    ResponderExcluir