domingo, 17 de janeiro de 2016

[Coleção Negra] A Região Submersa

A Região Submersa - Tabajara Ruas




Sinopse


A Região Submersa é um romance antológico da literatura noir brasileira. E como todo bom romance noir que se prese, o detetive Cid Espigão, logo nas primeiras páginas, recebe a perturbadora visita de uma mulher belíssima e misteriosa, que o envolve em situações perigosas e inusitadas. Utilizando a influência das histórias em quadrinhos, Tabajara Ruas cria uma trama envolvente, inventiva e diferente.

Lançado inicialmente na Europa, na Dinamarca e em Portugal, em 1978, A Região Submersa marcou a estréia do escritor gaúcho na literatura. Um romance policial memorável que o consagrou como um dos melhores escritores brasileiros de sua geração.

Minha Opinião


Cheio de intrigas, suspense e reviravoltas, A Região Submersa possui vários elementos da literatura policial Noir (a começar pela misteriosa mulher que logo no início do livro adentra no escritório de Cid Espigão, o detetive). Tabajara escreveu uma trama policial diferente do tradicional. Com um texto bastante profundo, e esteticamente incomum, vemos, através de Cid, a mudança que agentes externos podem causar à psiquê de um homem.

Após ser contratado, pela misteriosa senhora, Cid se envolve em diversos acontecimentos (ou se deixa envolver, em alguns casos) que mudam radicalmente sua vida, inclusive sua forma de enxergar o mundo.

"Porque esse rapaz em mangas de camisa, por algum obscuro motivo, esta desaparecido nesta cidade de um milhão de habitantes, esta sombria cidade de Porto Alegre, onde sobram motivos para borrar a alegria no rosto dos que desaparecem contra vontade", página 12.

É difícil falar desse livro sem soltar algum spoiler prejudicial, mas posso adiantar que a história inicialmente pautada na busca por um jovem desaparecido se transforma em algo MUITO maior do que imaginávamos (pelo menos comigo foi assim).  Para mim isso foi o que mais me fez gostar desse livro, a reflexão que ele proporciona está acima de um livro sobre policiais e crimes a serem solucionados. 

"Era - intuía mais que sabia - a ultima vez que contemplava a cidade com seus antigos olhos. Estava em gestação silenciosa e dolorida dentro de si uma outra maneira de ver - e essa maneira nova trazia muito da maneira de ver d Mariana - e, assim, em breve, seus olhos teriam não só o orvalho claro e frágil de sua visão de antes mas também a calma lenta e profunda dos olhos de Mariana", página 201.
 É um livro extremamente politizado, que reflete os anos de exílio vividos pelo Tabajara, durante a época da ditadura no Brasil. Cid Espigão, um detetive completo, com cachimbo e tudo, é (ou era...) um cidadão comum, gosta de futebol, cerveja, mulheres, música e dinheiro. E, "de uma hora para outra", se torna um motor fundamental para a execução de planos audaciosos.

Nas conversas, principalmente nas realizadas via telefone, foram transcritas apenas as falas de um dos personagens (no geral, em Cid Espigão). Tudo o que a outra pessoa falava era deduzível apenas pela fala do personagem principal. Em outras palavras, apenas a fala de um dos dois interlocutores era transcrita. No começo isso me deixou muito desconfortável, achei que era um recurso bastante ineficiente, cansativo até. Mas com o passar do livro fui me acostumando a ele, e fui passando a entendê-lo, visto que tal recurso estimula imaginarmos mais. É um recurso interessante, gostaria de vê-lo em outras obras para ter uma opinião melhor sobre o mesmo, pois ainda não consegui gostar de fato (rsrsrsrsrs)...

Talvez toda a obra seja uma alegoria, sobre como o cidadão comum pode ser manipulado, ou tornar-se peça ativa, dentro do sistema. Talvez seja somente um livro sobre a ditadura. Ou talvez seja apenas um livro policial, um livro Noir Brasileiro. Para mim, cabe a cada leitor tirar sua conclusão (afinal essa é uma das maiores conquistas que um leitor pode ter, tirar suas próprias conclusões sobre o livro que acabou de ler!). Mas é um livro que vale ser lido, quer seja pelo leitor que gosta de livros policiais, quer seja pelo que curte livros de suspense ou quer seja por quem gosta de uma boa trama repleta de reflexões.

Sobre a Edição


Assim como os outros livros da Coleção Negra, nesse livro temos uma edição em capa comum, com "orelhas" e a identificação (na capa) de que o mesmo pertence à Coleção. 

A capa é muito interessante. O desenho é lindo e pertinente com o conteúdo do livro, sem dizer além do necessário sobre a trama. 

As imagens iniciais em cada capítulo são a cereja do bolo. Contudo, nesse livro as imagens foram repetidas, em capítulos que não tinham nada a ver com a imagem. Em outros capítulos, as imagens já davam um spoiler imenso sobre o que iria acontecer. Achei isso estranho, e bastante chato. Espero que em outros volumes da Coleção isso não aconteça também..


Recomendo fortemente que leiam A Região Submersa. É um excelente Noir Brasileiro, ambientado em Porto Alegre! Tabajara Ruas é um autor que merece ser lido.

Boa Leitura!
\o/

Um comentário:

  1. Tava curtindo muito no início quando era um detetive investigando, as reviravoltas da história, do meu ponto de vista enfraqueceram o livro. Tambem nao quero ficar dando spoiler, mas digamos que o livro começa falando de uma coisa e termina falando de outra e isso acaba desvirtuando a historia inicial. Estou lendo titulos da Coleção Negra, peguei Regiao Submersa depois de ter lido Terapia e Desaparecidos, do Jonathan Kellerman. Nao queria ficar lendo soh do mesmo autor, mas achei muito melhores do que o Região Submersa, ao menos eram coerentes, falavam da mesma coisa do inicio ao fim. Enfim, boa sorte, tomara que gostem mais do que eu.

    ResponderExcluir