domingo, 26 de julho de 2015

Escuridão Total Sem Estrelas

Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King



Sinopse


Na ausência de luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. Os personagens destes quatro contos passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada - bom senso, piedade, justiça ou estrelas - para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.


Resenha


Em Escuridão Total sem Estrelas temos 4 contos escritos por Stephen King. Falaremos um pouquinho sobre cada conto separadamente. Vamos lá:

1922


No primeiro conto temos a história de um pai (Wilfred) e seu filho (Henry) que, juntos, cometem um terrível (e macabro, é claro!) crime na fazenda da família. Crime esse que foi cometido na pior forma possível, considerando o resultado do mesmo (até agora fico me perguntando por quê que Wilf não resolveu matar de outra forma...). Mas enfim, o garoto foi convencido pelo pai a ajudá-lo no assassinato, mesmo que o plano do pai não seja um dos melhores...

"Tudo estava dando errado, e eu começava a perceber que nada saía exatamente como sonhamos." , página 34.
 Ao longo da história vemos qual preço pai e filho tem de pagar pelo crime. Vemos também a deterioração da mente deles. Wilf passa de pal amado e respeitado a um simples e indigno fazendeiro, e Henry (ou Hank, como preferir...) se torna algo que o pai nunca havia desejado, um criminoso.

Com um alto teor sobrenatural vemos como a punição pelo crime cometido pelos dois pode recair tanto neles quanto em outras pessoas mais próximas.

Tomem mais cuidado quando virem um rato por ai...    ;)


Gigante do Volante


No segundo conto do livro, Gigante do Volante, conhecemos a história de uma escritora bem sucedida (principalmente entre leitoras mais "experientes") que, ao aceitar fazer uma palestra extra acabou aceitando uma mudança muito maior do que ela poderia imaginas, por bem ou por mal (eu apostaria na segunda opção, sem dúvidas).


Tess é uma escritora que vive dando palestras em vários estados (nos Estados Unidos), uma palestra por mês, segundo seu planejamento. Mas eis que surge um convite fora da "programação oficial' dela. Era uma palestra numa cidade relativamente próxima de onde ela morava. Isso somado à quantia a ser recebida por ela fizeram-na decidir aceitar a proposta.

A palestra ocorre normalmente, sua anfitriã é a mais simpática de todas (ou não né, leia e descubra...). Na volta para casa, Tess sofre um "acidente". E, após isso, nasce uma nova Tess dentro dela, uma Tess que ela jamais suspeitava que existisse...


"Ela ouviu um som metálico abafado vindo de algum lugar e achou que foi sua cabeça batendo na lateral da picape. Pensou: Confeiteiros Zumbis. E então, por um tempo, tudo ficou escuro." , página 165.

Nas últimas 30-40 páginas vemos o desfeche do plano de Tess. E, o que posso adiantar sem dar muitos spoilers, nessas últimas páginas vemos o plano dela dar certo. Bem, certo não é a melhor palavra... Foi bem melhor do que ela havia planejado. Melhor até demais, quase perfeito mesmo...

Um fato interessante é que na história a Tess dá voz e vida a seres que normalmente não falam conosco. O seu gato, Fritzy, e seu aparelho GPS, Tom, conversam normalmente com ela e, em algumas situações parece até que eles tem vida própria... Achei que isso deu um toque especial ao conto, afinal quem nunca se pegou falando consigo mesmo? Além disso, achei muito engraçado a fala do cachorro lá pro final do conto...

Já ia esquecendo... Nesse conto King faz várias referências a filmes de terror/suspense (incluindo uma referência a Alice no País das Maravilhas).

Extensão Justa


No terceiro conto do livro temos a história de um homem que tinha seus dias de vida contados, pois sofria um tipo câncer agressivo e bastante avançado. Streeter encontra um vendedor digamos que inusitado. Em vez de vender produtos materiais ou serviços comuns, ele vende Extensões. Contudo, como regra básica, para cada extensão vendida ele requer algo em troca, omo forma de balanceamento. E é nessa troca balanceada que descobrimos a natureza do nosso protagonista.

Esse é o menor dos 3 contos e, na minha opinião, o menos legal . É uma história boa, mas é uma história simples, sem muitos atrativos. 

Streeter vivia uma vida sem esperança, sofrida. E de repente a solução para todos os seus problemas aparece, desde que algo em troca fosse feito. Talvez só por isso eu consegui entender a satisfação que ele teve com o sofrimento do seu amigo. Mas mesmo assim tive vontade de ir dizer ao Tom que a causa de tudo o que começa a acontecer era o seu "amigo", mesmo que indiretamente...

"- A vida é justa. Todos nós passamos nove meses na barriga, e então os dados começam a rolar. Algumas pessoas dão sorte. Outras, infelizmente, dão azar. É assim que o mundo é." , página 299.
E esse é o tom do conto. Uma definição informal do que é justo ou não nas nossas vidas. E de como nosso futuro pode ser imprevisível...

Um Bom Casamento


No último conto do livro, temos a história de um casal (que estão juntos a 27 anos), Bob e Darcy, que viviam um casamento muito bem sucedido. Com dois filhos grandes e dando rumo a suas vidas, a rotina do casal era repleta de detalhes que só quem convive muito tempo com outra pessoa sabe.

Contudo, Bob escondia um segredo que Darcy jamais imaginaria. Seu marido se tornava (ou melhor, "era") uma pessoal que ela nunca suspeitaria. E, em meio a tantas descobertas, Darcy se vê pressionada a tomar uma decisão sobre isso, ou melhor, sobre o que deve fazer a respeito.

"A geladeira zumbia, a água pingava na pia e os segundos se passavam. Aquela era a Vida Sombria, onde a verdade era escrita de trás para frente.", página 355.
A principal ideia do conto é a de que nem sempre realmente conhecemos as pessoas com as quais convivemos diariamente. Às vezes essas pessoas são muito diferente do que elas dizem ser. O conto também nos traz o questionamento sobre a maneira com a qual utilizaríamos para lidar com a descoberta de tais identidades secretas.

Ah, tem também uma referência à prisão de Shawshank, isso mesmo, a prisão do conto "Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank", do livro Quatro Estações (já comentamos sobre ele aqui hein ...).

É um conto relativamente curto e bem fácil de ser lido (mesmo que possua passagens digamos que "pesadas"). É um bom conto, principalmente nos detalhes contidos nele.


Sobre a Edição


Nessa edição da Suma de Letras temos os cortes do livro (laterais do livro) pretas, combinando com toda a cor da capa e lombada, reforçando a ideia de escuridão total do título e dos contos também.



As folhas são um pouco mais grossas que o normal, são amarelas, e um pouco transparentes... Possui orelhas e uma das sinopses mais bacanas que já li.

O posfácio é bem interessante, já que nele o King explica um pouco sobre onde ele encontrou inspiração para criar esses contos, naquele tom de conversa informal que ele sempre gosta de usar em suas introduções e posfácios.

Então é isso, espero que gostem do livro tanto quanto eu gostei, por mais indigesto que algumas passagens tenham sido, vale a pena a leitura.

Boa leitura!  \o/

0 comentários:

Postar um comentário